PT | EN

 Exposição de esculturas têxteis

Sana Vinculum
ou o vínculo que soa, o vínculo que preenche o ar em volta

Ana Rita de Albuquerque (AKA VOLUMEAtelier)

 

De 14 de fevereiro a 28 de abril de 2019 | Real Fábrica Veiga (Galeria)

 

No próximo dia 14 de fevereiro (quinta-feira), pelas 17h00, na Galeria da Real Fábrica Veiga do Museu de Lanifícios da Universidade da Beira Interior, irá decorrer a sessão de inauguração da exposição temporária "Sana Vinculum ou o vínculo que soa, o vínculo que preenche o ar em volta", de Ana Rita de Albuquerque, artista têxtil, natural da Covilhã, especialista em fibras e Maker, e detentora da marca AKA VOLUMEAtelier.

Com a lã, como material de escultura contemporânea, expressiva sensorial e interativa, esta é uma exposição de vínculos criados pelas fibras e pelos humanos que as tocam e se deixam tocar, esculturas têxteis envolventes para sentir.

Associada à exposição, propõe-se a Oficina Sounding Wool, com a orientação de Ana Rita de Albuquerque, nos dias 27 e 28 de abril, a realizar na Oficina Têxtil da Real Fábrica Veiga, entre as 10h-13h00 e as 14h-18h. Brevemente serão facultadas mais informações sobre esta atividade.

 

Sobre VOLUMEAtelier

Ana Rita de Albuquerque é natural da Covilhã, e artista Têxtil especialista em fibras e Maker.

A VOLUME Atelier é uma identidade criativa que tem permitido explorar e cruzar diversas áreas criativas, como a feltragem, fiação, costura, estampagem, fotografia alternativa, computação física e fabricação digital, para dar corpo a um trabalho multidisciplinar. Tem um percurso criativo iniciado há vários anos com a Feltragem, através da qual tem trilhado um caminho de contínua aprendizagem técnica e artística.

Com uma linguagem artística muito própria que procura a interação e as ligações que exploram e iluminam a condição humana, complexa e densa. Matéria e Material.

Saiba + em VOLUMEAtelier

Ver Cartaz e e_convite


Datas
De 14 de fevereiro a 28 de abril de 2019 | De terça-feira a domingo, das 9h30-12h00 e das 14h30-18h00

Local
Museu de Lanifícios da Universidade da Beira Interior
Núcleo da Real Fábrica Veiga (Galeria de Exposições)
Calçada do Biribau, s/n (ao Parque da Goldra), 6201-001 Covilhã
GPS: 40º 16' 37" N 7º 30' 29" W  

Acesso
Entrada livre e gratuita

Design Digital Systems

Mestrado em Design Multimédia
Faculdade de Artes e Letras da UBI
 

De 23 de janeiro a 10 de março
na Real Fábrica de Panos (Galeria no Corredor das Fornalhas II)

 

A partir de 23 de janeiro, pelas 17h00, apresenta-se na Real Fábrica de Panos a exposição Digital Design Systems/Design de Sistemas Digitais constituída pelos trabalhos gráficos decorrentes dos projetos desenvolvidos pelos alunos do Mestrado em Design Multimédia no âmbito da unidade curricular de "Projeto Multimédia I" - 1º Semestre de 2018/19, lecionada pelo Professor Luís Frias.

 

“We are now in transition from an object-oriented to a systems-oriented culture.
Here change emanates, not from things, but from the way things are done.”

Jack Burnham (1968), Systems Esthetics

O tema enquadra de forma pertinente o desenvolvimento contemporâneo da indústria de plataformas e produtos digitais, nomeadamente o design de aplicações progressivas para web (PWA) e de aplicações nativas para dispositivos móveis.

A crescente complexidade no desenvolvimento de produtos digitais, e o uso intensivo de suportes de interface e conteúdos ricos em media digitais, exigem uma atitude projetual de design baseada não na resolução de objectos ou simples articulações entre peças mas de todo um ecossistema de partilha e recombinação evolutiva de elementos de design.

Escolhendo como bases temáticas de desenvolvimento as preocupações ambientais de sustentabilidade e descarbonização, mas também as novas formas de mobilidade e sustentabilidade sócio-económica numa perspectiva local/regional, os trabalhos desenvolvidos pelo(a)s aluno(a)s do mestrado integraram nos seus projectos as melhores práticas de investigação para um Design focado na eXperiência do Utilizador.

 A exposição pode ser visitada pelo público em geral no horário de funcionamento do Museu de Lanifícios da UBI e da Universidade da Beira Interior.

Ver Cartaz

Datas
De 23 de janeiro a 10 de março de 2019 | De terça-feira a domingo, das 9h30-12h00 e das 14h30-18h00

Local
Museu de Lanificios da Universidade da Beira Interior
Núcleo da Real Fábrica de Panos (Galeria do Corredor das Fornalhas II)
Rua Marquês d'Ávila e Bolama, 6201-001 Covilhã
GPS: 40º 16' 37" N 7º 30' 29" W  

Acesso
Entrada livre e gratuita


 Exposição / Instalação

Draperies

De João Castro Silva

De 8 de fevereiro de 2018 a 7 de fevereiro de 2019 | na Real Fábrica Veiga

Inauguração: 8 de fevereiro de 2018 (17h00-18h30)

Draperies

Em escultura, por draperie entende-se todo o tipo de indumentárias ou tecidos que representem conjuntos de pregas. Intimamente ligado à representação do corpo humano, as draperies contribuem para a caracterização individual de caracteres. A dinâmica da draperie e a sua capacidade expressiva têm sido continuamente explorados pelos escultores na diferenciação de tipo humanos, proporções, gestos e atitudes.

As draperies acentuam também a perceção de movimento e criam uma maior quantidade de zonas de luz e de sombra sem as quais uma escultura poderá não ter mais que uma tonalidade uniforme de cinzentos.

A plasticidade natural dos tecidos e a possibilidade de com eles se criar uma enorme variedade de tonalidades, fruto da relação entre côncavos, convexos e a luz, permite a exploração do claro/escuro no tratamento de superfícies escultóricas.

João Castro Silva, 2017

Ver Cartaz e Convite

Consultar a Folha de Sala aqui

Local
Museu de Lanifícios da UBI / Núcleo da Real Fábrica Veiga (Área Arqueológica)
Calçada do Biribau, s/n (ao Parque da Goldra), 6201-001 Covilhã
GPS40º 16' 37" N 7º 30' 29" W  

Datas
De 8 de fevereiro de 2018 a 7 de fevereiro de 2019

Horário
De terça a domingo, das 9h30 às 12h00 e das 14h30 às 18h00

Condições de acesso
Entrada livre e gratuita


Instalação artística

Corrente, de Micaela de Vivero

 

Desde 24 de abril de 2018 | Real Fábrica de Panos (Tanque de Água)

 

A existência de abundantes cursos de água na covilhã foi uma das razões fundamentais para a implantação da indústria têxtil na cidade. Por esta razão, durante este mês de residência artística no Museu de Lanifícios da Universidade da Beira Interior, olhei para o uso e o recurso da água.

Com esta obra, intitulada Corrente, quero salientar a importância da água no processo de criação têxtil, assim como a beleza do espaço do tanque de água, uma estrutura arquelógica preservada. Com cor e direcionalidade, quero criar a possibilidade de imaginários sobre a presença iminente da água.

Micaela de Vivero (24 de abril de 2018)

Nota biográfica

Micaela de Vivero é natural do Equador e reside atualmente em Ohio, nos E.U.A., onde é professora na Universidade de Denison. O seu trabalho tem sido exposto, individual e coletivamente, em vários países: Equador, Colômbia, Brasil, E.U.A., Espanha, Portugal, Irlanda, Finlândia, Áustria, Suíça, Bulgária, Arménia e Portugal.

Realizou, durante abril de 2018, uma residência artística no Museu de Lanifícios da Universidade da Beira Interior.

Ver Folha de sala

Local
Real Fábrica de Panos (Tanque de Água) | Rua Marquês d'Ávila e Bolama, 6201-001 Covilhã -- Portugal

Horário
De terça-feira a domingo, das 9h30 - 12h00 e das 14h30 - 18h00

Condições de ingresso
Entrada livre e gratuita