PT | EN

Exposição de Pintura

A Covilhã em aguarelas

de João Salcedas

 

De 19 de maio a 15 de julho de 2018 | Real Fábrica Veiga (Galeria)

Inauguração: 19 de maio (17h00)

 

Inaugura-se, no próximo dia 19 de maio, pelas 17h00, a exposição de pintura A Covilhã em aguarelas. Trata-se de uma mostra de sessenta trabalhos em aguarela sobre papel fabriano que retratam pessoas, lugares e alguns apontamentos que ilustram a cidade da Covilhã. Entre 2017 e 2018, o pintor covilhanense produziu estes trabalhos ao ar livre para melhor captar a atenção dos transeuntes e estimular uma resposta ao seu trabalho artístico.

Nota biográfica

João Salcedas nasceu na Aldeia do Carvalho, concelho da Covilhã, em 1960.
Foi ilustrador durante vinte e cinco anos num jornal regional e, atualmente, faz trabalhos de desenho para uma empresa local.
Paralelamente, tem realizado alguns outros trabalhos gráficos desde capas de livros, rótulos, brasões, medalhas e ilustrações diversas.
Desde 1974, que apresenta as suas obras ao público em diversas exposições individuais e coletivas:

1974 - Casa do Povo, Vila do Carvalho.
1977 - Teatro da Trindade, Lisboa (Coletiva); Salão da Comissão Regional de Turismo da Serra da Estrela, Covilhã; Escola Secundária Campos Melo, Covilhã; Escola Secundária Frei Heitor Pinto, Covilhã (Coletiva); Teatro GICC da Covilhã.
1983 - Salão da Comissão Regional de Turismo da Serra da Estrela (Coletiva).
1992 – Salão da Cultura da Câmara de Santarém (Coletiva).
1994 – Salão da APAE, Covilhã.
2002 – Biblioteca Municipal da Covilhã; Paço da Cultura de Belmonte; Académico dos Penedos Altos; Edifício da Cultura Covilhã (Antigos Alunos da Escola Campos Melo); Arte Covilhã – Edíficio ANIL; Sala da Nora, Castelo Branco; Artista da Nossa Terra, na Biblioteca da Covilhã (Coletiva); Centro Hospitalar Cova da Beira; Filarmónica Recreativa Carvalhense.
2014 - Em representação de Portugal, na Exposição Coletiva em Les Roches-de-Condrieu, França.
2015 – Museu de Arte Sacra, Covilhã.
2017 - Museu de Lanifícios da Universidade da Beira Interior, Covilhã.

Ver Cartaz e Convite

Para mais informações, consulte a Folha de Sala

 Data
De 19 de maio a 15 de julho de 2018

Horário
De terça-feira a domingo, das 9h30-12h00 e das 14h30-18h00

Local
Museu de Lanifícios da UBI/Núcleo da Real Fábrica Veiga
Calçada do Biribau, s/n (ao Parque da Goldra), 6201-001 Covilhã--Portugal
GPS: 40º 16' 37" N 7º 30' 29" W  

Contactos
Tel. + 351 275 241 411/275 241 410 | E-mail muslan@ubi.pt (Geral)

Acesso
Entrada livre e gratuito


 Exposição de Trabalhos de Desenho Digital

Alienmedia 2018

Alunos da licenciatura em Design Multimédia (UBI)

 

De 16 de maio a 17 de junho de 2018 | Real Fábrica de Panos

 

Alienmedia 2018 expõe os trabalhos dos alunos da licenciatura em Design Multimédia concebidos na unidade curricular de Desenho Digital II.

Serão expostos painéis síntese de um exercício de concept arte e modelação 3d que consiste em criar personagens, veículos e cenários para uma animação e/ou game design de ficção científica.

O objetivo é criar uma civilização alienígena em missão de terraformação de um exoplaneta. Para desenvolver o projecto o aluno utiliza uma metodologia dividida em várias etapas, que vão desde a investigação de referências culturais e formais, elaboração do concept art até ao 3d final - cruzando geografia, fauna, diferentes culturas humanas e tecnologia.

Ver Cartaz

Data
De 16 de maio a 17 de junho de 2018

Horário
De terça-feira a domingo, das 9h30-12h00 e das 14h30-18h00

Local
Museu de Lanifícios da UBI/Núcleo da Real Fábrica de Panos
Rua Marquês d'Ávila e Bolama, 6201-001 Covilhã--Portugal
GPS: 40º 16' 37" N 7º 30' 29" W  

Contactos
Tel. + 351 275 241 411/275 241 410 | E-mail muslan@ubi.pt (Geral)

Acesso
Entrada livre e gratuita


Instalação artística

Corrente, de Micaela de Vivero

 

Desde 24 de abril de 2018 | Real Fábrica de Panos (Tanque de Água)

 

A existência de abundantes cursos de água na covilhã foi uma das razões fundamentais para a implantação da indústria têxtil na cidade. Por esta razão, durante este mês de residência artística no Museu de Lanifícios da Universidade da Beira Interior, olhei para o uso e o recurso da água.

Com esta obra, intitulada Corrente, quero salientar a importância da água no processo de criação têxtil, assim como a beleza do espaço do tanque de água, uma estrutura arquelógica preservada. Com cor e direcionalidade, quero criar a possibilidade de imaginários sobre a presença iminente da água.

Micaela de Vivero (24 de abril de 2018)

Nota biográfica

Micaela de Vivero é natural do Equador e reside atualmente em Ohio, nos E.U.A., onde é professora na Universidade de Denison. O seu trabalho tem sido exposto, individual e coletivamente, em vários países: Equador, Colômbia, Brasil, E.U.A., Espanha, Portugal, Irlanda, Finlândia, Áustria, Suíça, Bulgária, Arménia e Portugal.

Realizou, durante abril de 2018, uma residência artística no Museu de Lanifícios da Universidade da Beira Interior.

Ver Folha de sala

Local
Real Fábrica de Panos (Tanque de Água) | Rua Marquês d'Ávila e Bolama, 6201-001 Covilhã -- Portugal

Horário
De terça-feira a domingo, das 9h30 - 12h00 e das 14h30 - 18h00

Condições de ingresso
Entrada livre e gratuita


 Exposição / Instalação

Draperies

De João Castro Silva

De 8 de fevereiro a 24 de junho de 2018 | na Real Fábrica Veiga

Inauguração: 8 de fevereiro (17h00-18h30)

Draperies

Em escultura, por draperie entende-se todo o tipo de indumentárias ou tecidos que representem conjuntos de pregas. Intimamente ligado à representação do corpo humano, as draperies contribuem para a caracterização individual de caracteres. A dinâmica da draperie e a sua capacidade expressiva têm sido continuamente explorados pelos escultores na diferenciação de tipo humanos, proporções, gestos e atitudes.

As draperies acentuam também a perceção de movimento e criam uma maior quantidade de zonas de luz e de sombra sem as quais uma escultura poderá não ter mais que uma tonalidade uniforme de cinzentos.

A plasticidade natural dos tecidos e a possibilidade de com eles se criar uma enorme variedade de tonalidades, fruto da relação entre côncavos, convexos e a luz, permite a exploração do claro/escuro no tratamento de superfícies escultóricas.

João Castro Silva, 2017

Ver Cartaz e Convite

Consultar a Folha de Sala aqui


Local
Museu de Lanifícios da UBI / Núcleo da Real Fábrica Veiga (Área Arqueológica)
Calçada do Biribau, s/n (ao Parque da Goldra), 6201-001 Covilhã
GPS40º 16' 37" N 7º 30' 29" W  

Datas
De 8 de fevereiro a 24 de junho de 2018 (Prolongamento)

Horário
De terça a domingo, das 9h30 às 12h00 e das 14h30 às 18h00

Condições de acesso
Entrada livre